Vitaminas e minerais são essenciais para o bom funcionamento do organismo, assim como ômega 3 e proteínas. Os nutrientes quando estão em equilíbrio são capazes de auxiliar na cura de doenças e até mesmo em sua prevenção. Eles regulam as funções corporais, aumentam a disposição para atividades físicas e diárias e também melhoram o humor. Portanto, em casos onde a dieta não é balanceada, deve-se recorrer à suplementação.

De acordo com o Ministério da Saúde, as doenças que mais matam os brasileiros são câncer, obesidade, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (derrame) e patologias relacionadas ao sistema respiratório. E sabe qual é a maior causa em boa parte delas? O desequilíbrio nutricional.

Em idosos, algumas patologias tornam-se especialmente típicas dessa idade: depressão, Alzheimer, Parkinson, demência, entre outras. São doenças que afetam o sistema neurótico, e estão relacionadas à ingestão de substâncias tóxicas por meio de agrotóxicos e utensílios de plástico e alumínio. Tais doenças poderiam ser evitadas se a ingestão dos nutrientes certos fosse equilibrada para eliminá-las do organismo.

Conheça a seguir a importância da suplementação para a terceira idade!

Otimiza a absorção

Conforme o organismo envelhece, a capacidade em absorver nutrientes reduz gradualmente. É de fundamental importância, portanto, garantir uma alimentação balanceada, procurando por formas de otimizar a absorção dos nutrientes.

As principais fontes naturais de vitaminas são as frutas, verduras e legumes, mas nem sempre é possível seguir uma alimentação rica nesses alimentos. O ideal é ingeri-las diariamente, seja pelos alimentos ou pela suplementação. A proposta da suplementação é interessante, pois garante que o corpo receberá as quantidades específicas que atenderão suas necessidades fisiológicas individuais.

É interessante também, ingerir uma combinação de nutrientes, uma vez que quando associados, sua absorção pode ser favorecida. Este processo também é chamado de sinergia alimentar. Alguns alimentos que são bem absorvidos quando em conjunto são: arroz e feijão, pão integral e manteiga de amendoim, brócolis e azeite extra virgem e rúcula e castanha de caju.

Preserva a massa muscular

De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), uma doença chamada sarcopenia, conhecida pelo baixo índice de massa muscular esquelética magra, menor força muscular e menor desempenho físico, está fortemente associada ao envelhecimento, e pode dificultar a realização de algumas atividades rotineiras.

É de fundamental importância, portanto, a prática de atividades físicas associadas à uma suplementação alimentar rica em aminoácidos essenciais, ou seja, aminoácidos que o organismo é incapaz de sintetizar, mas que são de extrema importância para o bom funcionamento do organismo. Essa suplementação é capaz de potencializar a síntese de proteínas, além de preservar a massa muscular do idoso.

Ao se interessar pela suplementação em aminoácidos essenciais para combater doenças como a sarcopenia, ou até mesmo para a preservação de músculos, lembre-se de consultar um profissional especializado, para que sejam determinadas as quantidades corretas para a suplementação e quais os tipos de exercícios a serem realizados para a manutenção dos músculos.

Fortalece a função imunológica através dos micronutrientes

A partir dos 50 anos de idade, observa-se um declínio na função imunológica, independente do sexo, que pode trazer problemas  de saúde futuramente.

A diminuição da capacidade de atuação do sistema imunológico do idoso pode ser prevenida ou retardada por intervenção dietética, principalmente pela suplementação de macro e micronutrientes. Estudos citam que micronutrientes antioxidantes podem otimizar a função imunológica simplesmente por atuarem diretamente nos genes.

Por vezes, algumas mudanças ao longo da vida do idoso ligadas à nutrição, impedem que seja mantida uma alimentação adequada e, claro, de micronutrientes. Há redução da sensibilidade ao gosto de doce e salgado que, associada ao aumento do uso de medicamentos, podem trazer diversos efeitos colaterais. As estatinas, por exemplo, reduzem a quantidade de coenzima Q10 no organismo – substância importante na produção de energia pela mitocôndria e na manutenção da saúde muscular.

Uma alimentação equilibrada é a chave para manter a qualidade de vida e uma boa imunidade. Evite alimentos como bebidas alcoólicas, café, gorduras e açúcares em excesso, e dê preferência a alimentos como vegetais verde escuro, legumes alaranjados, frutas cítricas, oleaginosas e cogumelos.

Previne doenças neurológicas 

O cérebro é um órgão extremamente ativo que produz radicais livres como produto de seu metabolismo. Estes componentes são produzidos naturalmente por qualquer órgão do corpo, mas devem receber atenção especial em se tratar do cérebro, principalmente na terceira idade. No sistema neurológico, os radicais livres podem “bombardear” as membranas celulares dos neurônios causando perda da função prematura.

Existem alguns nutrientes que auxiliam a evitar essa perda. Além do DHA – gordura que compõe até 20% do cérebro – vitaminas e minerais com função antioxidante são fundamentais. Os antioxidantes são extremamente importantes pois combatem os radicais livres.

Profissionais indicam que o DHA deve ser consumido em grandes quantidades diariamente e, em muitos casos, devem ser ingeridos por suplementação. Essa gordura pode ser encontrada em peixes, como por exemplo a sardinha. Os antioxidantes se encontram em alimentos como açafrão, aveia, frutas cítricas, frutas vermelhas, linhaça e mamão e abacaxi.

Previne problemas cardiovasculares

O ácido fólico e as vitaminas B6 e B12 fazem parte do ciclo da homocisteína, aminoácido que é afetado diretamente pela alimentação. É um marcador de alterações no sistema cardiovascular.

Em caso de carência de algum desses nutrientes, os níveis de homocisteína podem se elevar, representando um risco cardíaco. Além disso, muita vitaminas e minerais são utilizados para manter a saúde de artérias e do músculo cardíaco, inclusive o ômega 3, gordura encontrada em peixes como o salmão, a sardinha e o atum.

Converse com seu médico ou nutricionista

Com o passar do tempo, devido ao aumento da dificuldade em absorver os nutrientes ingeridos através dos alimentos, faz-se necessário a suplementação alimentar.

Além disso, a redução da quantidade de ingestão de comida, pouca atividade física e aumento de medicamentos rotineiros também podem influenciar na baixa absorção de nutrientes. Esses fatores podem diminuir as vitaminas e minerais presentes no organismo e desencadear patologias que são possíveis de prevenir.

Realize visitas constantes a seu médico. Tire todas as dúvidas a respeito da sua suplementação e verifique quais os suplementos mais indicados, e como inseri-los no dia a dia para manter a saúde em dia. E não se esqueça de se exercitar regularmente! Dessa forma, será possível ter um envelhecimento ativo e saudável.

 

 

EB1702_CTA_BLOG

Categorias: Longevidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *