Devido a uma rotina cada vez mais agitada e cheia de pressões, a saúde da mulher moderna está suscetível a problemas que há tempos não costumavam ser tão recorrentes.O excesso de obrigações cotidianas pode resultar em complicações graves, que acabam por influenciar o bem-estar da família como um todo. Essa vida “corrida” faz com que muitas mulheres deixem a saúde em segundo plano, algo que jamais deveria ser feito.

Mas e você, saberia dizer quais são os principais riscos que as mulheres enfrentam nos dias de hoje? Quer saber? Então continue a leitura, pois neste artigo apresentaremos 5 grandes perigos para a saúde da mulher. Confira!

1. Excesso de comidas industrializadas

Devido a um cotidiano bastante atarefado, as comidas industrializadas estão cada vez mais presentes no dia a dia das mulheres. Embora sejam práticas e fáceis de preparar (único benefício), consumi-las em excesso pode trazer sérias consequências.

É preciso pensar bem se essa comodidade realmente vale a pena. Entenda que ao optar por comidas industrializadas, você abre mão da qualidade nutritiva das refeições. Os alimentos semiprontos normalmente são ricos em gorduras saturadas, que contribuem para o aumento dos níveis de colesterol ruim (LDL) e também para o surgimento de doenças cardiovasculares.

Além disso, outro elemento presente em quantidades nada saudáveis é o sódio, que é relacionado à hipertensão. Isso sem contar que a ingestão excessiva de industrializados leva à obesidade.

Uma dica é fazer uso de polivitamínicos para prevenir a deficiência de vitaminas e as consequências que isso traz ao organismo.

2. Dietas “malucas”

Sabe aquelas dietas “malucas” que prometem um corpo lindo e sarado em poucos dias? Pois então, saiba que aderir a esse tipo de programa alimentar é um grande perigo a saúde da mulher.

Os medicamentos ditos “milagrosos” podem ocasionar o mau funcionamento dos órgãos, incluindo o coração. Já as restrições alimentares, por sua vez, impedem que você obtenha parte dos nutrientes considerados essenciais para o bom desempenho do organismo.

A soma desses medicamentos aliada a uma dieta restritiva talvez até possa te ajudar a perder peso, mas certamente acarretará em prejuízos a sua saúde.

Tenha em mente que para emagrecer você não precisa necessariamente passar fome, nem eliminar determinados grupos de alimentos. O ideal é procurar um nutricionista, que avaliará o seu caso, e depois montará um programa de emagrecimento para você.

Não se esqueça de reservar um tempo para a prática de atividades físicas –  30 minutinhos ao dia já é suficiente. Para maximizar a perda de peso, os termogênicos são grandes aliados, pois potencializam a queima de gordura.

3. Anticoncepcionais sem prescrição médica

Você por acaso sabia que o uso indiscriminado de anticoncepcionais também figura entre os grandes perigos para a saúde da mulher? Esse método contraceptivo, para surpresa de muitas, pode ser o motivo de diversos problemas, tais como:

  • alterações de humor;
  • queda da libido;
  • dores de cabeça;
  • aumento de peso;
  • aumento de pelos;
  • dores mamárias.

Entretanto, os sintomas acima descritos não são os que fazem dos anticoncepcionais um grande perigo. O que os torna de fato perigosos, é que os hormônios presentes nesses medicamentos podem alterar a coagulação do sangue, contribuindo assim para a trombose venosa, uma condição que exige muita atenção.

Um pesquisa realizada pela Universidade de Nottingham, Reino Unido, concluiu que as pílulas anticoncepcionais de fato aumentam a ocorrência de tromboembolismo venoso (TEV). Os estudiosos relataram que as mulheres adeptas ao método são mais propícias à formação de coágulos. O estudo foi publicado pela revista British Medical Journal, em 2015.

E mais, há relatos de AVC devido ao uso de anticoncepcionais, como o da blogueira Kamaia Medrado, que sofreu um acidente vascular cerebral aos 22 anos de idade. O problema começou com uma simples dor de cabeça, mas com uma importante diferença: o incômodo durou 8 dias seguidos.

Ao procurar o hospital, foi comprovado uma quadro de hemorragia, resultando no AVC. Após 12 dias de internação, sendo 3 de UTI, os médicos identificaram uma trombose venosa nas pernas, que prontamente despertou a hipótese do uso de anticoncepcional.

No entanto, vale ressaltar que os problemas derivados das pílulas contraceptivas são raros, considerando o expressivo número de mulheres que utilizam o método. Mesmo assim, é fundamental ter cuidado.

É importante compreender que hábitos, como o tabagismo, podem contribuir para os efeitos negativos dos anticoncepcionais, assim como o histórico de saúde dos familiares. Por isso, lembre-se: consulte um médico para avaliar o seu caso detalhadamente.

4. Problemas emocionais decorrentes da obesidade

Engana-se quem pensa que os perigos para a saúde da mulher se referem apenas aos problemas físicos. A parte emocional também entra em jogo, e a obesidade é uma das principais causas.

O fato de estar acima do peso causa baixa autoestima e falta de confiança em muitas mulheres, o que acaba afetando suas vidas, tanto no aspecto pessoal quanto profissional.

Essas condições de saúde mental podem levar a um quadro ainda pior: a depressão. Uma dica: pratique exercícios regularmente e mantenha uma alimentação saudável. Não é tão difícil quanto se imagina, basta ter força de vontade.

5. Câncer de mama

Por último, não poderíamos deixar de citar o câncer de mama, a doença que mais mata mulheres no Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Essa realidade só fortifica a importância de realizar a mamografia. Os especialistas recomendam que as mulheres, a partir dos 40 anos, devem se submeter ao exame preventivo com intervalos de 1 a 2 anos, caso não possuam histórico familiar de câncer de mama.

Havendo alguém na família, seja mãe, irmã ou até mesmo tia, o indicado é fazer o exame anualmente a partir dos 35 anos de idade. A detecção do câncer em seu estágio inicial apresenta taxas de cura de aproximadamente 95%.

Outro ponto a considerar é que as mulheres obesas têm até 3,5 vezes mais chances de desenvolver a doença. Uma alimentação rica em gorduras saturadas, por exemplo, também aumenta o risco do câncer de mama, é o que diz Patrícia Melo, membro da Sociedade Brasileira de Mastologia.

Para finalizar, entenda que, se houver cuidado, esses perigos relacionados à saúde da mulher podem ser evitados. Nesse contexto, a alimentação e os seus hábitos de vida exercem um papel extremamente importante!

Gostou deste artigo e quer ficar por dentro de outros assuntos relacionados à saúde? Então curta nossa página no Facebook

 

BS_CTA_rodape_eBook11_colageno


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *