Muito se fala hoje sobre a intolerância à lactose. Essa está ligada à uma deficiência em seu organismo à produção de lactase e que precisa de cuidados especiais. Por ser um quadro bem comum atualmente, ficar por dentro desse pequeno – porém desconfortável – problema ajuda a uma pessoa identificar suas limitações e cuidar da sua alimentação com mais atenção.

Explicamos logo abaixo sobre as principais questões ligadas à intolerância à lactose e que você precisa saber. Confira.

O que é intolerância à lactose

O organismo de algumas pessoas passa a não digerir mais a lactose, um açúcar natural composto em leite e seus derivados. Isso acontece porque o corpo deixa de produzir uma enzima digestiva chamada de lactase e que existe justamente para quebrar toda a lactose do leite e fazer com que ela seja digerida naturalmente.

Alergia ao leite x intolerância à lactose

Há um pouco de confusão entre a intolerância à lactose e a alergia ao leite. Apesar de serem semelhantes e possuírem basicamente os mesmos sintomas, são dois problemas de saúde diferentes.

A diferença está no nível de aceitação do leite. Diferente do paciente intolerante, aquele que tem alergia, não pode consumir a proteína presente na bebida. Sendo assim, mesmo um leite sem lactose torna-se ofensivo para o alérgico.

Como se desenvolve a intolerância à lactose

O seu intestino delgado naturalmente produz uma enzima digestiva chamada lactase. A principal função dessa enzima é fazer a decomposição do açúcar do leite, transformando-o em carboidrato e facilitando a absorção da lactose em seu organismo.

Quando esse processo todo não acontece, a digestão da lactose não é feita ou acontece parcialmente dificultando a chegada ao intestino grosso, fazendo com que ela fermente e se transforme em gases e ácido lático. Justamente por isso a sensação de desconforto causado em quem tem intolerância.

Tipos de intolerância à lactose

Existem três tipos diferentes de intolerância à lactose:

  • Intolerância congênita: quando a criança já nasce sem a produção comum de lactase. Isso acontece por questões genéticas.
  • Intolerância primária: é o tipo mais comum, que aparece geralmente na adolescência. É a redução da produção de lactase no organismo.
  • Intolerância secundária: quando a intolerância surge após algum problema de saúde ligado ao intestino. Pode ser temporária, desaparecendo com o tratamento do problema que a desencadeou.

Diagnóstico

Ao perceber que o seu organismo não vem aceitando mais o leite e seus derivados, é necessário realizar alguns exames para avaliação clínica. Já existe um exame específico para identificar a intolerância, mas além desse o paciente também precisa passar pelo teste de hidrogênio e o teste de acidez (fezes).

Sendo identificada a intolerância à lactose e a sua origem, basta iniciar o tratamento.

Tratamento

Por ser uma carência mais do que uma doença em si, o tratamento pode ser longo e precisará de uma mudança de rotina completa. Há medicamentos que podem ser associados, mas basicamente você precisará retirar o leite comum de sua dieta alimentar e substituí-lo por leite sem lactose, já bem comum de ser encontrado no mercado. O mesmo acontece com os derivados desse composto.

O uso da enzima lactase, no entanto, diminui os sintomas da intolerância.

Você já conhecia um pouco sobre a intolerância à lactose? Sabe de alguém que passa por esse quadro? Deixe seu comentário!


1 comentário

6 Alimentos ricos em cálcio para dieta sem lactose - BS Pharma · 10 de julho de 2017 às 12:55

[…] pesquisa realizada pela Unicamp, cerca de 40% das pessoas possui intolerância à lactose, que é o açúcar naturalmente presente no leite e em seus derivados, em maior ou menor grau. Essa […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *