O estresse faz parte da vida das pessoas, e é fundamental até mesmo para a sobrevivência. Se trata de uma resposta fisiológica normal diante de eventos que possam ser ameaçadores, às quais o corpo responde liberando o cortisol, conhecido como “hormônio do estresse”. A fadiga adrenal é uma doença dificilmente diagnosticada que se manifesta pela redução da atividade do Eixo Hipotálamo-Pituitária-Adrenal (eixo HPA), causada em decorrência do estresse excessivo.

A fadiga adrenal, também conhecida como cansaço crônico, pode ser resultado de vários fatores, e nem sempre é fácil diagnosticar a doença. Conheça mais sobre sua definição, causas, sintomas e como a nutrição pode ser uma boa alternativa no combate ao cansaço crônico.

O que é a Fadiga adrenal?

A Fadiga Adrenal nada mais é do que o funcionamento reduzido da glândula adrenal, responsável pela liberação do cortisol no organismo, conhecido como o hormônio do estresse, e o mal funcionamento do eixo HPA. Esses problemas podem ser originados a partir da sobrecarga da glândula e do sistema por exposição excessiva a situações estressantes.

O eixo HPA é o conjunto de reações e sinais enviados entre o hipotálamo, a hipófise e as glândulas adrenais, e desempenha um papel fundamental na resposta aos estímulos externos e internos, incluindo os psicológicos. Por isso, quando a situação é imaginária, a reação pode ser exatamente a mesma que de uma situação real.

Responsabilidades fazem parte do quotidiano das pessoas, mas muitas fazem delas uma preocupação constante, desencadeando diariamente a resposta ao estresse. Como o cérebro não sabe discernir o que é real do que é imaginário, o eixo HPA será constantemente estimulado, o que leva à sua sobrecarga e ao mal funcionamento do organismo.

A glândula suprarrenal é quem libera o hormônio cortisol e, se for levada ao trabalho intenso e sem descanso, chegará à exaustão. A falência da glândula provoca sintomas de fadiga causados pela liberação irregular de cortisol ao longo do dia.

Para diagnosticar a doença, exames de sangue e avaliação clínica podem ser feitos e analisados por profissionais especializados, que determinarão a causa da doença e qual a melhor forma de combatê-la.

Causas

A fadiga adrenal é resultado da sobrecarga de estresse no organismo de um indivíduo, e pode ter origem nas seguintes situações:

  • Medo;
  • Perda de emprego;
  • Estresse emocional;
  • Pressão no trabalho ou instituição de ensino;
  • Alergia;
  • Cigarro;
  • Cafeína;
  • Perdas de entes queridos;
  • Caos urbano;
  • Bullying;
  • Infecções e internações.

Sintomas

A falência da suprarrenal leva a um quadro chamado Fadiga Adrenal, caracterizado por:

  • Cansaço excessivo (ou crônico);
  • Dificuldade em acordar pelas manhãs;
  • Incapacidade enfrentar situações estressantes;
  • Desejo por alimentos calóricos para repor energia;
  • Dificuldade em manter o foco e a concentração;
  • Olheiras e tonturas;
  • Dor nas articulações;
  • Dores de cabeça e no corpo regulares;
  • Alergias;
  • Obesidade;
  • Redução da imunidade;
  • Dores no corpo;
  • Nervosismo;
  • Falta de energia;
  • Problemas digestivos;
  • Distúrbios do sono;
  • Baixa pressão arterial.

RELORA

Funções do cortisol

O cortisol é o hormônio do estresse, produzido nas glândulas adrenais, localizadas logo acima dos rins. Níveis equilibrados do hormônio ajudam o organismo a controlar o estresse, reduzir inflamações, mantem o bom funcionamento do sistema imunológico e mantém constantes o índice de glicose no sangue e a pressão arterial.

O excesso de cortisol no sangue pode levar a perda de massa muscular, a obesidade, redução nos níveis da testosterona, aumento do risco de osteoporose, dificuldade em assimilar o conhecimento e aumento da sede. Sua falta leva à fadiga adrenal, depressão, cansaço, fraqueza e desejo repentino em comer doces.

A nutrição no tratamento da fadiga adrenal

A nutrição é fundamental para a manutenção do bom funcionamento do organismo em qualquer situação. Existem algumas estratégias que os pacientes com diagnóstico de Fadiga Adrenal podem seguir para obter uma melhor qualidade de vida, como comer a cada 3 horas, evitando que os níveis de glicose no sangue caiam provocando o aumento da liberação de cortisol.

Existem alguns alimentos indicados para o consumo diário, como frutas, verduras e legumes, que possuem muitos nutrientes essenciais para ajudar a glândula suprarrenal a manter suas funções. Alimentos ricos em vitaminas do complexo B também são de extrema importância para as glândulas suprarrenais, e podem ser facilmente encontrado na aveia, carne, leite, ovos, legumes, feijão e grão-de-bico.

Outros nutrientes são essenciais para o bom funcionamento da tireoide e da suprarrenal. São estes a vitamina D, selênio, magnésio e zinco, que podem ser encontrados facilmente em forma de suplementos no mercado, além das fontes presentes em alimentos. Outra boa saída está em ingerir pelo menos três vezes na semana fontes de ômega 3 (sardinha, atum, salmão, linhaça, chia), um potente anti-inflamatório que também pode ser encontrado no mercado em forma de capsulas.

Evite carboidratos de alto índice glicêmico, como doces, açúcar refinado, massas e pães de farinha branca. Estes alimentos e aumentam o índice glicêmico no primeiro momento, mas podem causar o efeito adverso, reduzindo bruscamente o índice de açúcar no sangue, piorando a sensação de cansaço. Portanto, de a preferência para carboidratos integrais.

Bebidas estimulantes como café, refrigerantes do tipo cola, chá mate, chá preto, chá verde, também devem ser evitados, principalmente antes de dormir. Esta atitude pode ser uma boa saída para reduzir os sintomas de estresse e podem facilitar na regulação do sono, combatendo a insônia.

Respeite os horários de sono, procurando dormir sempre no mesmo horário. Alterar muito o momento de ir para a cama dificulta estabelecer um ciclo, e a percepção de luz interfere na produção da melatonina (hormônio do sono). Pratique técnicas de relaxamento e meditação se for necessário.

Além da importância de praticar atividade física de forma moderada e de manter-se bem hidratado, é fundamental o acompanhamento de um médico especialista, para determinar qual o melhor tratamento para a situação em questão. Caso você tenha se identificado com alguns dos sintomas descritos, procure seu especialista de confiança.

Este post foi útil para você? Comente e compartilhe!

Baixar E-Book Estresse


1 comentário

Por que tomar Goji Berry emagrece? - BS Pharma · 10 de agosto de 2017 às 16:46

[…] Além disso, goji berry é capaz de reduzir a produção do hormônio do estresse, que leva à fadiga adrenal quando em […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *