A Rinite é uma doença inflamatória da mucosa nasal que pode surgir junto com outros sintomas, como espirros e secreções. No entanto, quando se torna crônica passa a se manifestar frequentemente através de crises alérgicas intensas.

Essa doença acomete pessoas de todas as idades, e seus sintomas tendem a piorar durante a noite. Geralmente é desencadeada por uma exposição contínua a determinado alérgeno, porém outros fatores podem provocar a sua manifestação, como emocional, infeccioso, anatômico, bem como o ambiental, através de mudanças bruscas de temperatura.

Causas da rinite alérgica

A Academia Brasileira de Rinologia (ABR), informa que a rinite alérgica é uma reação imunológica que tem ligação com o histórico familiar, pois se trata de uma doença genética. Neste caso, o paciente possui predisposição para a doença, que é desencadeada quando o organismo entra em contato com o agente alergênico.

Poeira, animais, ácaros e pólen, são os principais alérgenos que podem causar a rinite. A poeira domiciliar é o maior fator de risco, pois é constituída por descamação da pele humana e de animais, além de fungos, bactérias e ácaros.

Quando a rinite se torna crônica?

Quando a obstrução nasal se apresenta ininterruptamente por mais de três meses, a doença já pode ser considerada crônica.

Esse tipo de rinite afeta mais de 10% da população e pode ser considerada a mais frequente. Seus maiores sintomas são congestão nasal, secreção nasal mucopurulenta, perda de olfato, halitose, dor de garganta, tosse crônica.

Caso uma criança manifeste a doença, ela pode levar à alteração da arcada dentária, alteração na estrutura óssea da face, além de retardar seu crescimento.

Como são as crises da rinite alérgica?

A rinite alérgica se trata de uma resposta desmedida do sistema imunológico à partículas não infecciosas. No processo, anticorpos atacam os mastócitos, fazendo com que a histamina ali presente seja liberada, resultando na vasodilatação e edema, que geram os sintomas que compõe um episódio de rinite alérgica.

Os espirros são frequentes, o nariz fica escorrendo na maior parte do tempo e fica totalmente obstruído por um período. As coceiras no nariz, céu da boca e olhos são também são sintomas recorrentes. O olfato também pode ficar comprometido, bem como o paladar. Outros sintomas podem surgir, como dores de cabeça tosse e falta de apetite. Ainda, algumas reações menos conhecidos são insônia, irritabilidade e cansaço.

Diagnóstico

Para determinar se um episódio de espirros, incômodo, coriza, e coceira se trata de um caso de rinite ou de sinusite, existem alguns exames.

Um dos principais testes é o teste cutâneo, através do qual é possível determinar qual o tipo de rinite. É imprescindível que o exame seja conduzido por um profissional experiente, e com extratos alergênicos de qualidade, de for a não comprometer os resultados. Nesse teste, pequenas agulhas contento o extrato são utilizadas para fazer punturas no braço ou nas costas do paciente e, após 15 minutos, verifica-se se a reação foi mais forte ou não que uma puntura de controle feita com histamina apenas. Dessa forma, determina-se a qual composto o indivíduo é alérgico.

É possível também determinar a presença na rinite alérgica através do exame dos níveis de sangue, chamado RAST. Esse teste normalmente é utilizado em casos onde o paciente corre risco de entrar em choque anafilático ao se submeter ao teste cutâneo, em casos de doença de pele, ou ainda em casos onde o paciente não pode interromper o uso de medicamentos. .

Existem também alguns exames que podem ajudar para um diagnóstico mais preciso, como tomografia facial ou rinoscopia, que consiste na análise visual da mucosa nasal do paciente.

 

Tratamento

Logo que se tem o diagnóstico a primeira medida é aliviar a respiração através do uso de descongestionantes e anti-histamínicos. Lavagens nasais também devem ser feitas duas vezes ao dia com soluções salinas facilmente encontradas em farmácias.

Como existem alguns tipos de rinite, é importante testar diversos medicamentos, de forma a definir aquele que mais se adéqua às suas necessidades. Por esse motivo, aconselha-se evitar o contato com a substância alergênica. Dê preferência para produtos de higiene sem odor, e evite corantes e conservantes.

No caso da rinite alérgica, é possível realizar um tratamento através de vacinas, conhecido como imunoterapia, onde devem ser aplicadas por um médico por um longo período de tempo, reduzindo a necessidade de medicamentos na maior parte dos casos.

Em casos de rinite causada por substâncias alergênicas presentes em alimentos, os lactobacillus podem ajudar. Estudos mostram que estes compostos diminuem a frequência de episódios de rinite, aliviam os sintomas e promovem a qualidade de vida do paciente, embora ainda sejam desconhecidos os mecanismos de atuação.

É importante ressaltar, entretanto, que não há cura para a rinite. Portanto, o tratamento deve ser contínuo para que sejam notados os resultados.

O tratamento consiste em três pontos fundamentais, são eles:

Higienização do ambiente –  Deve ser feita retirando o máximo possível de poeira do ambiente, principalmente onde o paciente dorme. Devem ser evitados bichos de pelúcia, almofadas, cortinas e tapetes, que são itens que acumulam poeira e só agravam a rinite. Substâncias capazes de irritar o nariz, podem desencadear a doença, como perfumes, desinfetantes, fumaça de cigarro, entre outras. Essas substâncias não devem ser usadas em presença dos portadores de rinite.

Tratamento medicamentoso – Outro ponto importante é a indicação de medicamentos, que deve ser exclusivamente a critério médico. Existem muitos tipos de medicamentos que pode ser usados, como descongestionantes, anti-histamínicos, estabilizadores de membranas e corticosteroides. Como cada organismo se comporta de maneira diferente, é necessário testar e definir qual mais se adéqua ao caso.

Vacinas antialérgicas – as vacinas são muito importantes para prevenir novas crises. Quando indicadas corretamente podem diminuir muito a sensibilidade do indivíduo a determinados tipos de alérgenos.

A vacina antialérgica é a maior prevenção, pois bloqueia a ação de alguns alérgenos. Quando associada à manutenção de um ambiente sempre limpo, e a alimentação livre de conservantes e corantes, é possível prevenir e aliviar os sintomas.

Siga as dicas e fique livre dos sintomas indesejáveis da rinite. Busque qualidade de vida através de hábitos saudáveis, como uma alimentação balanceada e a prática de atividade física regular!

imunidade

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *